Yoga at Home

Reabilitação Pós-COVID é importante mesmo para casos sem gravidade

Tratamento adequado e a tempo interfere diretamente na recuperação de dores, fadiga e falta de ar, além das alterações cognitivas, comuns na infecção pelo coronavírus, em diferentes complexidades.
 

Recuperação da Covid-19: musculação e fisioterapia pulmonar ajudam
A atividade física e a fisioterapia pulmonar podem ser grandes aliadas na luta contra a doença 

Os processos inflamatórios causados pela infecção do novo coronavírus podem trazer inúmeras sequelas para a pessoa que contraiu a doença. Problemas respiratórios, cardiovasculares, renais, musculares e até neurológicos são alguns exemplos. 

Normalmente, os sintomas começam com cansaço, falta de ar e dores no corpo (principalmente nas costas). “Cerca de 20% dos pacientes apresentam uma piora importante, com um aumento do padrão inflamatório e, consequentemente, dos sintomas clínicos. Uma das consequências mais graves causadas por esse vírus é a redução da capacidade pulmonar, até entre aqueles que não chegaram a um estado crítico da doença.

E mesmo após a cura, as queixas podem continuar. É por isso que apostar no tratamento adequado de recuperação da Covid-19 é essencial: se feito corretamente, ele é capaz de devolver a qualidade de vida e a produtividade em poucos meses.

Efeitos na musculatura
Outra sequela causada pela enfermidade é a perda de massa muscular. O paciente fica na cama, não se alimenta direito e, por isso, também tem seu condicionamento físico reduzido. Sem contar que o quadro de inflamação que o coronavírus causa potencializa ainda mais a diminuição da massa magra. 

Em até um terço dos casos, o corpo não volta a se recuperar espontaneamente a não ser que você o estimule. E o exercício resistido, ou seja, a musculação, é uma ótima forma de fazer isso. 

Os treinos de força leve a moderado trabalham a musculatura periférica e preservam o coração e o pulmão, dois órgãos que podem ser muito afetados pelo vírus. 
O apoio profissional é indispensável nesses casos, pois, cada pessoa reage de uma forma. 
Primeiro precisamos entender quais foram os sistemas comprometidos para somente depois prescrever o treino respeitando os limites da aluna.